SOU A MENINA DOS OLHOS DE DEUS

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Então, de repente, me pego aqui, sem ideias para escrever, mas querendo escrever alguma coisa. Percebi que a inspiração me vem em momentos turbulentos, em sua maioria, momentos no qual eu mesma sou a autora. Sou tão exagerada, daquele tipo que cria fantasmas, faz literalmente uma tempestade em copo d'água. Percebo também que um tanto quanto exagerada, sou ansiosa. 
Mas o momento em que me vejo agora é de calmaria. Estou tão em paz comigo mesma e com o mundo que me cerca.
 Meu coração está feliz: não quero deixar de me sentir assim.





Polinne Brandão

sábado, 7 de setembro de 2013

Até que ponto o ciúme é saudável?

Tenho percebido um ciúme infundado querendo aflorar em mim... Aflorar não, querendo vir à tona, ele já existe aqui dentro, enrustido, sendo camuflado por um pouco de simpatia e educação.
Mas até que ponto o ciúme é saudável?
Sempre leio sobre o fato de o ciúme ser sinal de amor, de ser algo bonitinho, e todos esses clichês que todos nós já conhecemos muito bem. Mas quem o sente sabe o mal que isso pode proporcionar.
Penso que sentir ciúmes seja algo normal à natureza humana. Somos seres materialistas, possessivos, egoístas. Sentimos ciúmes de coisas e pessoas.
Só que há pessoas que não conseguem se conter, não possuem o auto controle, e acabam tendo reações muito negativas.

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Não guarde esqueletos no armário

Hoje, ao ler um texto na internet, me deparei com a seguinte frase: "Não guarde esqueletos no armário." Tal frase me interessou e imediatamente pensei em escrever sobre o assunto.
 
Mas afinal, o que seria vir a guardar esqueletos no armário?

Ao meu ponto de vista, guardar esqueletos no armário está diretamente ligado a se apegar ao que não nos cabe mais, se apegar ao passado, ao que já não faz parte da nossa vida, ao fato de ficar ruminando os fatos acontecidos, e no ditado popular, ficar chorando pelo leite derramado.

quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Até onde você iria por amor?

Até onde você iria por amor? Até que ponto vale se sacrificar por alguém?




Absolutamente, eu não entendo as coisas relacionadas ao amor. Deve ser porque o amor é algo realmente inexplicável. Um exemplo é a prova de amor de Jesus para com a humanidade, algo que eu não faria por ninguém.
 Amor de filho, de pai, mãe, irmão, amor de namorado, amor de marido, amor de amigo...até que ponto vale a pena?
E quando você tem a certeza de que encontrou aquela pessoa, aquela que é totalmente diferente das outras, que lhe proporciona sensações que nenhuma outra jamais conseguiu despertar em você? Vale a pena esperar por algo que você nem sabe na verdade se vai acontecer?
Desde que não prejudique ninguém, não há nenhum mal em se sacrificar por alguém, mas antes, temos que nos amar primeiro. Precisamos nos manter saudáveis, inclusive sentimentalmente, para poder conseguir proporcionar ao próximo o prazer de sentir-se amado.

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Feliz, muito feliz!

      Há exatos 382 dias com o blog inativo, e que por ironia do destino, com a útlima postagem dizendo que estaria voltando à ativa, transbordando de felicidade, e por aí vai. Não sabia eu que seria um final de ano frustrado, final de relacionamento extremamente desgastante, combranças de trabalho ao ponto de pensar que eu iria pifar...isso mesmo, pifar, como acontece com uma bateria que se desgata de tanto uso. Além de tudo, estava me sentindo sem identidade religiosa (talvez um dos inúmeros termos que costumo criar e que comigo faz sentido e funciona).

Repaginando...

Vida nova: 

ambiente de  trabalho novo, 

um novo amor...

domingo, 18 de setembro de 2011

Nova fase...

Tanto tempo sem postar...
...mas estou voltando à ativa...
aconteceram tantas coisas, boas e ruins,
mas só tenho a dizer que estou entrando em uma nova fase:
MUITO FELIZ AFINAL!
Deus está sendo muito generoso comigo!
Obrigada por tudo,SENHOR!